Port 9

Port 9

Monday, May 30, 2016

Literatura e Sociedade: A Cultura do Estupro

     Denis Rocco

                                          Literatura e Sociedade: A Cultura do Estupro

O estupro é um crime gravíssimo e que não tem volta. Quem estupra é permanentemente manchado porque esse ato é grotesco e repulsivo. Portanto, a cultura do estupro não passa, do meu ponto de vista, como uma máscara que quer esconder a realidade. Quando alguém indefesa é estuprada, tentar defender tal ações por meio da culpabilização da vítima, da trivialização do estupro, ou de outra desculpa me parece como comportamentos covardes porque em vez de tentar solucionar o problema, essas pessoas preferem deixar essa questão tão importante de lado. Com isso em mente, um exemplo recente de uma barbárie que aconteceu no Rio de Janeiro foi o estupro de uma garota de somente 16 anos por um grupo de 33 homens, ou melhor dizendo, bárbaros. Esse ato retrata a desconstrução da cultura de estupro na nossa sociedade atual já que esse evento não saiu despercebido pela maioria da população, que questiona e repudia tal ações intoleráveis em pleno século XXI.  

    Para entender melhor como cultura do estupro está interligada com o nosso contexto histórico e com a nossa própria identidade, obras como O Cortiço e o Macunaíma são essenciais para conseguir dialogar e comparar o presente com o passado. Falando a respeito dessas obras, no livro O Cortiço, escrito em 1890, duas cenas de estupro são claramente vistas. Essas cenas mostram que a vítima está totalmente submissa pelos estupradores. Outro aspecto dessas duas cenas é que a descrição não parece ser uma descrição de estupro, mas como se fosse uma cena de sexo normal. Porém, essa ausência de palavras relacionadas ao estupro é devido ao fato da cultura do estupro, em que ninguém liga para o que a vítima está sofrendo e pressupõem que tudo está normal. No livro Macunaíma, escrito em 1928, existem duas visões a respeito do estupro. Na perspectiva de Macunaíma, o sexo que ele faz não é considerado estupro porque é algo de sua cultura. Todavia, na perspectiva dos leitores, Macunaíma está cometendo um estupro já que suas ações são diretamente relacionadas aos conceitos da nossa sociedade contemporânea.
    Com isso, podemos dizer que no passado, existia a cultura do estupro, mas hoje em dia, o estupro é evidentemente notável. Porém, como havia dito no primeiro parágrafo, ainda existem pessoas que aderem a cultura do estupro e isso representa um grande retrocesso. No meu ponto de vista, o grande problema da nossa sociedade é o fato que nós não conseguimos solucionar ou até mesmo tentar solucionar um problema porque ou estamos em cima do muro, ou só queremos proteger o mais forte. Na história, é possível ver que os problemas se tornaram soluções e posteriormente evitaram outros contratempos. É por isso que falo que ignorar a realidade só irá trazer a continuidade desse problema ou até criar novos problemas.        

Wednesday, April 6, 2016

Formativa 17

     A representação do índio na sociedade de consumo é totalmente controversa e polêmica. Um exemplo dessa representação é a foto de um boneco indígena que está à venda no Mercado Livre. Antes de mais nada, podemos reparar na cor azul e preta nos olhos do boneco. Essa mistura de cor pode representar o conceito de marketing, que se referem aos olhos azuis, e o conceito da realidade, que são os olhos pretos. Outro aspecto que chama a atenção é a cor puramente branca do boneco, que contrária com a realidade. O último aspecto desse boneco é a roupa totalmente atípica que ele veste, com sapatos brancos e quase todo o corpo coberto de roupas.
     Esse boneco dialoga diretamente com o texto da Eliane Brum porque ambos mostram como o índio é injustiçado e como sua identidade é totalmente ignorada pela maioria da população. No texto da Eliane Brum, ela menciona como o índio Vitor Pinto foi assassinado e ninguém deu bola, reforçando a idéia de que o índio é visto pela sociedade como um indivíduo atrasado e irrelevante. O boneco, por sua vez, mostra como o índio é representado na sociedade como uma forma de comércio e de turismo, e não como um ser humano.
     No livro "O Guarani" de José de Alencar, a figura do índio é vista como um homem forte e que camufla na natureza. Esse índio, conhecido como Peri, age como um herói da mitologia grega após salvar o seu único e verdadeiro amor, a Cecília. Porém, temos que aceitar que o índio nunca será um herói grego. Ao contrário, ele será um herói indígena. Como no boneco, é uma falta de respeito que as culturas do índio são ignorados e misturados com outras características totalmente opostas. Os mitos presentes no livro "O Guarani" claramente mostram essa influência externa de outras culturas, como na parte em que o Peri beija a cruz da espada e promete afrontar todos os perigos para salvar a Cecília.
     Para concluir, o índio merece ser respeitado e admirado pela sociedade que tanto o critica, porque vale lembrar que eles são os verdadeiros donos dessa terra. O sofrimento dos índios durante todos esses anos não podem ser esquecidos e merecem ser lembrados por todos os brasileiros, já que os mais puros brasileiros são os indígenas.



Friday, March 4, 2016

Formativa 15

     Essa charge dialoga com o cartaz do Tio Sam porque ambos são bem parecidos esteticamente. Também, as duas imagens estão chamando o leitor para participar de uma causa. Porém, a charge satiriza o cartaz do Tio Sam por que em vez de promover o alistamento para a guerra, ele promove o leitor a alistar em uma empreiteira, em um ministério, e uma estatal porque a corrupção precisa dele. Em outras palavras, no Brasil, várias empreiteiras, ministérios e estatais estão sendo pegas e investigadas por corrupção, principalmente na operação lava jato, e essa charge mostra que em vez de um homen vitorioso fazendo a propaganda, um velho podre está em busca de corruptos.
     Essa charge se assimila às Cartas Chilenas porque o Fanfarrão Minésio aceita propina de pessoas que querem ocupar um cargo no governo. O Fanfarrão Minésio representa o homen corrupto, que desvia o dinheiro para a coisas sem importâncias e fundamentos, como a cadeia que ele construiu. Critilo também descreve o Fanfarrão Minésio como um sujeito que não está preparada para tal cargo. Hoje em dia, na política, nós vemos cada ministro e governador sem a menor capacidade para ocupar os seus cargos, tanto que o país está em recessão.

millor corrupção.jpg

Wednesday, January 27, 2016

Análise e Revisão de Texto


     O critério que preciso melhorar nos meus textos é o critério B, no qual retrata o quanto a análise mostra consciência de articulação dos textos de apoio para as construções de sentido. Em outras palavras, eu não consigo desenvolver os meus argumentos no texto de uma forma que mostre insight. Na maioria das vezes, eu não faço a explicação adequada para apoiar os sentidos do texto. Um exemplo de uma frase que eu comprometi a explicação do texto e restringi a uma análise mais completa foi quando expliquei a relação do conceito de fugacidade no poema "Triste Bahia" de Gregório de Matos.

"O conceito de fugacidade também está presente no soneto já que o eu lírico não quer a parte ruim da Bahia, mas só a boa."

Nesta frase, eu deviria ter mencionado qual era a parte ruim da Bahia, a máquina mercante, e que isso simbolizava a ganância e a usura. O lucro e o consumo excessivo também poderiam ser mencionados diretamente na frase, em vez de escrever em outras frases.

Portanto, a frase deveria ser escrita assim:

O conceito de fugacidade também está presente no soneto já que o eu lírico não quer a parte ruim da Bahia, que se refere a máquina mercante da ganância e da usura, mas só a parte boa.

O critério C também deve ser melhorado, já que é associado a organização dos parágrafos.


Tuesday, September 22, 2015

Core Value Português (1 Semestre)


Comunicativo [Communicator]

Eu desenvolverei o core value comunicativo [communicator] porque eu, esporadicamente, expresso as minhas opiniões, analises, e questionamentos sobre algo que estamos trabalhando na classe. Esse core value representa a importância da comunicação através da participação do aluno na sala de aula. Além do mais, ter a iniciativa de participar em uma discussão, ler um trecho, ou tirar as suas dúvidas são exemplos de como perfeiçoar essa profiência.
Esse core value é importante para o processo educacional pois ele será ainda mais exigido no futuro. Ele também será usado na minha vida fora da escola, já que ser comunicativo é algo que qualquer cidadão necessita, pois vivemos em uma sociedade no qual convive-se com o público, com seus amigos, e com a família. Por fim, em todos os trabalhos, usar a comunicação frequentemente será neccesário para comunicar e se dar bem em um ambiente coletivo.
Para desenvolver esse core value, eu participarei mais na aula, principalmente em discussões, para poder expressar as minhas opiniões. Eu também vou precisar ter a iniciativa de começar uma discussão a partir de uma pergunta. Estando mais tranquilo e relaxado, vai ser muito importante para este desenvolvimento, por que vou estar mais confortável para discutir algo abertamente.
Para concluir, ser comunicativo é algo essencial para a vida de qualquer pessoa, pois ele cria uma identidade de você mesmo. Esse core value vai ser aplicado em todo percurso da minha vida, por que como disse anteriormente, qualquer trabalho coletivo, sendo dentro ou fora da escola, requer essa característica de um humano. Já que a vida é dinâmica, nós vamos estar mudando como qualquer outra pessoa, mas a comunicação sempre vai ter os seus valores positivos em nossas vidas.

Thursday, August 6, 2015

Esse É Meu Brasil

Esse É Meu Brasil


"Esse É Meu Brasil" é uma canção composta por Sérgio Reis para o álbum "Do Tamanho do Brasil", no qual Sérgio enaltece a beleza do Brasil usando as principais características de cada estado. 

     Nessa canção, o cantor e compositor relata sobre uma viagem que vai fazer para os estados brasileiros. Um exemplo encontrado na música é quando Sérgio Reis canta as seguinte frases, "Vou comer um bom churrasco no Rio Grande do Sul. Lá em Santa Catarina tem praias de céu azul." Na primeira frase, ele usou o exemplo do bom churrasco que é encontrado do Rio Grande do Sul, e na segunda, ele conta sobre o céu bonito e limpo de Santa Catarina. 
     
     Em outra parte da música, Sérgio Reis relata que vai visitar o Nordeste e o Norte do País. Ele diz que "Amazonas e Bahia beleza que não tem fim vou pedir a proteção ao meu Senhor do Bonfim." Ele refere a beleza natural que é encontrada em ambos estados e a tradição da Bahia com o Senhor do Bonfim. Nessa música, ele também menciona sobre a situação econômica que é encontrada em alguns estados, como no Paraná, no qual descreve como seu "rico Paraná" e que "dinheiro nasce no chão".

     A letra dessa música, que foi composta em 1998,  representa a tranquilidade e a beleza que parece sempre sorrir durante as suas viagens pelo Brasil. Porém, a pobreza e a miséria no Nordeste são completamente ignorados. Para finalizar, Sérgio Reis repetitivamente usa a frase "Esse é meu Brasil" para mostrar o seu próprio ponto de vista do país. 




  









Tuesday, June 2, 2015

Health Class Final Reflection

1. How has your knowledge and understanding of drugs** changed since you have participated in this health course?

**Drugs Unit: (Use and abuse of Tobacco, Alcohol, Marijuana, Meth, Heroin, Cocaine, Tranquilizers, LSD, mushrooms, Opium, Morphine, addiction, short-term and long-term effects of drugs, changes in relationships and lifestyles, drug laws)

My knowledge and understanding of drugs hugely increases after being in this health course. Knowing the side effects of stimulants, hallucinogens, and depressants were very helpful for me to understand other drugs that i didn't know about. It made me more cautious about my future life as a teenager and an adult by knowing the short-term and long-term effects of the drug.  

2.  How has your knowledge and understanding of STDs and contraception** changed since you have participated in this health course?

**Reproductive Health Unit:   (Different types of STDs, how to do STD testing, different types of contraception, how to use them, how to put on a condom, etc.) 

I learned much more about STD's and how would you get it or how would you prevent it in the past month. Knowing how to prevent pregnancy and especially STD's is extremely crucial and important for my future sex life. 

3. How has your knowledge and understanding of relationships**, changed since you have participated in this health course? 

**Relationships Unit: (Healthy/unhealthy/abusive relationships, stress, depression, choices in sexual relationships, age of consent, coercion, keeping things cool, pressures for sex, being ready or not for a sexual relationship, recognizing abusive behavior, sexual assault, date rape drugs). 

I learned how to handle relationships and how they could cause problems. I learned how to have a healthy relationship and how a relationship can be bad. I also learned a lot of these concepts in the roundtable, in which we could ask questions and respond to them openly. 

4. Choose one core value and explain how it represents your learning in the HS health course.
I believe that I was responsible in the health course because I was mature enough to understand the several problems of drugs, relationships, and the sexual life. I also completed all of my homework because it would definitely help me in class. 5.  What have you most enjoyed about this course?

I enjoyed the last unit of preventing STD's and pregnancy because the class was much more interactive and fun since we needed to put condoms in a carrot and see all the types of condoms.